Pôr-do-Sol nas Redes Sociais - Curta-nos! Siga-nos!

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

DIA 13/11 TEM!!! Tem PÔR-DO-SOL UNEBIANO!


Pôr-do-Sol Unebiano realiza edição comemorativa
Projeto comemora 01ano com um carnaval de temáticas

Carnaval acadêmico. Essa é a proposta da décima edição do Projeto de Extensão Pôr-do-Sol Unebiano do Campus XV da Universidade do Estado da Bahia – UNEB. O Projeto idealizado pela estudante Gerusa Sobreira e pelo professor Ruy D’Oliveira irá comemorar 01 ano de atuação, no dia 13 de Novembro de 2012, às 16:30.
         O Carnaval acadêmico terá o tema “Caminhos do Pôr-do-Sol: recortes contemporâneos da sociedade”, trazendo todos os mediadores e todas as temáticas abordadas, durante o período de atuação, pro mesmo espaço. Para Ruy D’Oliveira “será um momento de analisar e debater o que foi feito durante 2011 e 2012, além de pensar em novas ações para 2013”.
         O Projeto - que desde o início (2011) ganhou destaque na comunidade pela pertinência dos temas abordados - pretende, na oportunidade, entrelaçar todas as temáticas discutidas (violência, família, juventude, literatura feminina, tribos periféricas, amor, inclusão, política e música) com foco na sociedade contemporânea, através de linguagem acolhedora. “A Universidade pública tem o dever de devolver a produção científica e construir coletivamente uma sociedade mais justa auscultando a comunidade externa. A Universidade deve trazer a comunidade pra dentro dos seus muros e também sair de si”, ressaltou Gerusa Sobreira.
         Os nomes de Profº. Ms. Antônio Mateus Soares, Profª. Ms. Nicoleta Matos, Adriano Pereira (MaCRo), Profº. Ricardo Vidal, Profº. Dr. Sílvio Roberto Oliveira, Profº. Carlos Gentil, Profª. Ms. Sílvia Benevides, Profº. Ms. Beto Portugal estão confirmados para participar das discussões, além da Vice-Reitora e Pró-Reitora de Extensão da UNEB, Profª. Ms. Adriana Marmori.
         O evento que é gratuito tem como público-alvo toda a comunidade valenciana e do Baixo Sul que queira fazer parte do carnaval acadêmico, sem a necessidade de realização de inscrição prévia. O cenário será o Campus XV da UNEB (Rua Cecília Meirelles – Centro), no horário de 16:30 – um pouco mais cedo do que o horário de costume – e para mais informações, os interessados podem acessar o blog (http://pordosolunebiano.blogspot.com.br/). A décima edição conta com o apoio da Rádio Clube de Valença, da APLB – Costa do Dendê e do Jornal Valença Agora.


            

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Pôr-do-Sol Unebiano debate a inclusão das pessoas com deficiência


Entrando na sétima edição, o Projeto de Extensão Pôr-do-Sol Unebiano irá discutir com a sociedade “A inclusão da pessoa com deficiência: desafios contemporâneos”, no dia 12 de Julho, às 17:00, no auditório do Campus XV da Universidade do Estado da Bahia – UNEB.
            O debate, que ficará por conta da Profª. Ms. Sílvia Lopes Benevides (UNEB), pretende analisar as dificuldades encontradas pelas pessoas com deficiência, seja no mercado de trabalho, seja para andar nas ruas e compreender as políticas que têm sido desenvolvidas em âmbito nacional para inclusão efetiva das pessoas.
            Sabe-se que as pessoas que sofrem com algum tipo de deficiência são grandes vítimas do preconceito, visto que a sociedade ainda não conseguiu eliminar, por completo, essas matrizes que foram historicamente estabelecidas, quando muitas pessoas eram abandonadas, internadas, julgadas como pecadoras ou possuídas pelo demônio, há séculos atrás. Além disso, o direito à educação e trabalho lhes era negado, sendo que, no segundo caso, na antiguidade considerava-se que era um ato de exploração empregar os deficientes e mais recentemente, estes não conseguiam emprego, em virtude de não possuírem escolaridade.
            Esse quadro de preconceito vem sendo revertido, conforme pesquisa feita pelo Instituto DataSenado (2010), na qual constatou-se que 59% dos 1.165 entrevistados consideram que tem havido uma diminuição das práticas de exclusão. Ainda segundo a pesquisa, o que mais atrapalha o aprendizado deles é a falta de qualificação dos professores, inexistência de equipe multidisciplinar nas escolas e as instalações inadequadas dos espaços, embora prefiram as escolas regulares.
            Algumas políticas têm conseguido inserir as pessoas com deficiência no mercado de trabalho, sobretudo, através da lei 8.213/91 que estabelece cotas de 2 a 5% nas empresas. Apesar de muitas pessoas falarem que eles são perfeitamente capazes de trabalhar e não trabalham porque querem viver dos benefícios do Governo, pois são preguiçosos, a pesquisa DataSenado revela que 88% dos entrevistados quer trabalhar de carteira assinada, desmentindo a crença de muitas pessoas.

Veja os registros do que aconteceu na 7ª Edição!



Prof.ª Ms. Silvia Lopes Benevides


Intérprete de Libras 


Participação da comunidade


           
            

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Vamos falar de Amor?!

UNEB fala de amor no dia dos namorados

Falar do amor no Dia dos Namorados foi o objetivo da sexta edição do Projeto de Extensão Pôr-do-Sol Unebiano, desenvolvido pelo Departamento de Educação do Campus XV da Universidade do Estado da Bahia – UNEB.
            Convidado para discutir “As mil e uma faces do amor”, o filósofo Carlos Gentil, formado pela Universidade Federal da Bahia – UFBA, realizou conexões entre os poetas contemporâneos, como: Renato Russo, Tom Zé e Raul Seixas e a filosofia da antiga Grécia, destacando a obra o “Banquete” de Platão, escrito por volta do ano 380 a.C (Antes de Cristo). O público transitou entre o passado longínquo e os dias atuais que foram, são e estarão permeados pelo amor, seja nas palavras dos poetas, dos deuses ou dos enamorados, seja nas expressões de amor entre familiares, no amor ao que se faz ou no amor à vida. Falar de amor (assunto complexo) é transitar por um assunto permeado de facetas, muitas vezes inacessível ou escondido nos corações humanos. De Fedro a Sócrates, o que o público viu foi a diversidade com que o tema é tratado na Grécia antiga e que está intimamente ligado ao comportamento humano, nos dias de hoje, principalmente no ato de procurar a alma gêmea, o que é explicado na obra de Platão.
            Como é de costume, o Pôr-do-Sol Unebiano reservou o momento inicial para a arte e dessa vez Luciana Smith e Luiz Vitor Marsalla fizeram as apresentações: ela abriu a sexta edição com Dança do Ventre e ele declamou “A felicidade” de Vicente de Carvalho, além de dois Sonetos de Vinícius de Moraes para deixar ainda mais enamorados os corações dos participantes que somaram mais 100 pessoas para falar de amor, no dia 12 de Junho de 2012. A exibição de um vídeo – disponível no endereço pordosolunebiano.blogspot.com – que mostrava a comunidade acadêmica e externa falando sobre a sua visão de amor e fazendo declarações de amor, também fez parte do recheio da sexta edição. Já no espaço aberto ao público, a plateia se manifestou poeticamente, como foi o caso de Rosa Aguiar que não resistiu e declamou a poesia “Quando o verão voltar”, de sua autoria.
            A sexta edição do Projeto teve o formato de um coração vermelho, cheio de paixões. A data escolhida pelos organizadores foi bastante sugestiva, pois tratava-se justamente do dia 12 de Junho, dia dos namorados, véspera do dia de Santo Antônio – o santo casamenteiro. E se a data, 12 de Junho, foi criada por um apelo comercial, a UNEB, neste momento, inverteu a lógica do instrumental/mercadológica e em seu lugar colocou a razão comunicativa que convidou todos a repensar as suas atitudes diante da vida, sugerindo não banalizar o amor, mas tê-lo como a essência da natureza humana e, independente do dia, a recomendação foi: falar de amor, amar e amar.





Luciana Smith e a Dança do ventre

Sinuosidade e sensualidade n'As mil e uma faces do amor

Momento arte: encantamento e relaxamento


Movimentos de uma dança secular prendem atenção do público

Luiz Vítor Marsalla com as poesias de Vicente de Carvalho e Vinicius de Moraes

Carlos Gentil, convidado da noite, abre o temática cantando Tom Zé



Toca Rauuuul!!!


Gentil dedica "Tu és o M.D.C. da minha vida" (Raul Seixas) à sua esposa

Rosa Aguiar brindou a todos com uma poesia de sua autoria

"Quando o verão voltar" (Rosa Aguiar)

Ramilly Coelho e Aline Andrade doaram e sortearam brindes para os participantes


quarta-feira, 18 de abril de 2012

Pôr-do-Sol Unebiano quer conhecer e dialogar com as tribos urbanas


Redes de pessoas em torno de um querer ou gostar comum, falar a mesma língua, são algumas das definições que podem ser atribuídas às chamadas tribos urbanas, conceito utilizado, apenas, a partir de 1985, pelo sociólogo Michel Mafesolli. As tribos urbanas, geralmente, representam um movimento periférico, ou seja, um movimento que vive à margem, na maioria das vezes, das receitas, das regras de conduta social.
As pessoas que pertencem às tribos não apresentam um comportamento estável, estático. Elas podem pertencer às diversas tribos que guardem afinidades entre si, pois nem todas são “amigas” ou podem migrar de uma tribo para outra conforme o seu novo modo de pensar, sentir e agir, seguindo a fluidez dos tempos

Para demonstrar a infinidade de tribos urbanas que existem no mundo, pode-se citar os movimentos de skinheads que surgiram em meados dos anos 1960 e têm como características as atitudes violentas, roupas rasgadas, cabeças raspadas; os góticos que surgiram no final da década de 1970 e são caracterizados pelo pessimismo e romantismo excessivo; os punks surgiram em meados da década de 1970, e suas principais características são a autonomia, as vestimentas/roupasagressivas, o não envolvimento com questões políticas; geração beat formada por poetas e escritores nômades, nos anos 50; os movimentos contracultura que discutem a sociedade sob outra ótica, contestam os valores sociais; a geração gloss (clubbers) que é e idolatra os hábitos de artistas pops como Lady Gaga e utilizam vestimentas muito coloridas; os chamados nerds que caracterizam-se pela timidez excessiva e interesse em temas ligados à tecnologia. Essas são algumas das tribos existentes, mas ainda uma infinidade de pessoas que possuem os mesmos hábitos e ritmos, como os metaleiros, os skatistas, dançarinos (de break, hip hop), pagodeiros, hippies, grafiteiros, emocores.

Dialogar com asTribos periféricas: o Brasil dos coletivos poéticos suburbanose conhecer a sua tribo é o objetivo do quinto bate-papo do Projeto de Extensão Pôr-do-Sol Unebiano, mediado pelo Doutor pela Universidade Estadual de CampinasUNICAMP e Professor da UNEB, Sílvio Roberto Oliveira, no dia 25 de Abril, às 17:00, no auditório do Campus XV da Universidade do Estado da BahiaUNEB e que será transmitido para 24 cidades baianas, onde campi da instituição, através de videoconferência













terça-feira, 17 de abril de 2012

Pôr-do-Sol Unebiano vai ao encontro da MaCRo

Ousadia. Essa foi a palavra que definiu a quarta edição do Projeto de Extensão Pôr-do-Sol Unebiano. A edição, que aconteceu no dia 15 de Março de 2012, marcou a volta do Projeto, depois de um breve recesso entre os semestres letivos e, também, foi caracterizado pela ousadia de colocar a Universidade para sair de si, sair de dentro do espaço acadêmico, além de falar sobre mulheres.

Para poder se aproximar da comunidade, ir ao encontro do público, a equipe do Pôr-do-Sol Unebiano contou com a parceria da Casa de Cultura Maria Claudia Rodrigues – MaCRo que disponibilizou o espaço onde viveu a poetisa, atriz e militante cultural Maria Claudia para que o Sol voltasse suas atenções para “A poética do feminino na poesia baiana: uma homenagem à escritora Macária Andrade” com a mediação do escritor Ricardo Vidal.

Como marca registrada das atividades, os trabalhos foram iniciados com um momento reservado para a arte e que, dessa vez, ficou sob o comando de Ana Tellechea que cantou sucessos de Caetano Veloso e Cássia Eller, acompanhada de Matheus Santana na guitarra e de João Marcelo no violão, sendo que este, ainda, musicou um poema inédito de autoria de Maria Claudia.

Março é o mês que as mulheres mais recebem homenagens, devido ao dia internacional da mulher (dia 08), em virtude disso o Projeto resolveu homenageá-las também, mas de modo diferente: através da poesia e com um homem à frente. Durante o bate-papo, o mediador Ricardo Vidal citou diversas poetisas baianas e a representação da alma feminina nas poesias de diversos autores, sempre com pausas para que o ator e poeta, Adriano Pereira, entrasse em cena declamando algumas poesias.

A edição foi traduzida para a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e contou com a participação de diversos segmentos da sociedade valenciana, nessa homenagem às mulheres de todo o mundo e, principalmente, às mulheres de fibra que viveram/vivem na cidade e lutam por uma Valença melhor, por uma cidade decidida a ser de paz e progressos.















segunda-feira, 16 de abril de 2012

Pôr-do-Sol Unebiano brilha em dia cinzento

Marcada por fortes chuvas, a terça-feira do dia 13 Dezembro não atrapalhou aqueles que quiseram ir ao Departamento de Educação do Campus XV da Universidade do Estado da Bahia – UNEB prestigiar o Pôr-do-Sol Unebiano que tratou do tema “Juventude e Subjetividade: a construção da identidade na sociedade contemporânea”.

Mais uma vez, a edição do Projeto de Extensão de autoria da estudante Gerusa Sobreira e do Professor Ruy D’Oliveira começou com um espaço reservado para a arte. Dessa vez, o grupo de dança do Projeto Mutá apresentou o Hip Ballet, coreografando a música “Show me the meaning of being lonely” e “Everybody”, clássicos do grupo pop americano Backstreet Boys.

Após a apresentação do Hip Ballet, foi a vez das intérpretes da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, cedidas pela Pestalozzi de Valença, entrarem em cena para traduzir todo o bate-papo que foi conduzido pela Profª. Esp. Taylane Nascimento, pelo Prof°. Ms. Ruy D’Oliveira e pelo sociólogo Adriano Pereira que substituíram o mediador convidado para a ocasião e que por problemas de saúde não compareceu ao evento.

Falando para 24 cidades baianas, através de videoconferência, os mediadores começaram as discussões com histórico do conceito de juventude, depois se debruçaram sobre os dilemas contemporâneos enfrentados pelos jovens e mostraram uma das grandes características do jovem contemporâneo: o consumo desenfreado. Partindo dessa característica, foi possível mostrar o quanto a mídia influencia os jovens a consumirem ao vender, em seus comerciais, fórmulas da felicidade e às demais pessoas fórmulas da juventude. Dentre as falas, o sociólogo Adriano Pereira destacou-se ao começar poeticamente sua fala sobre o tema, declamando uma poesia de Geraldo Maia, intitulada “Geração de Março”.

Embora tenham mostrado características de outras gerações, durante o bate-papo, os mediadores afirmaram que os jovens contemporâneos não podem ser comparados com os jovens de outras épocas, visto que as regras do sistema social são diferentes e exigem posturas diferentes, não há uma solidez nas atitudes. Dentre esses diferentes posicionamentos, eles mostraram que aquele protagonismo juvenil que estava instaurado na época da Ditadura Militar brasileira não existe mais com tanto vigor, visto que as forças de repressão não são mais tão evidentes e, hoje, predominam as faces ocultas, latentes de opressão social.

Interagindo sempre com o público presente, Taylane, Ruy e Adriano mostraram que os jovens brasileiros são uma das parcelas da população mais marginalizadas pelo sistema social. É essa categoria que mais sofre com o desemprego e condições desfavoráveis de trabalho, violência, ensino público precário, com o sensacionalismo da mídia. Para eles, o jovem precisa ser ouvido, precisa ser valorizado em suas opiniões, sobretudo levando em consideração o contexto social, no qual está inserido, ao serem formuladas políticas para a categoria.

Às vezes, ficamos procurando mestres e doutores em outros lugares para virem se apresentar, falar sobre algo na Universidade e nos esquecemos de tantos talentos brilhantes que temos ao nosso redor e que podemos contar, sobretudo por usarem as sandálias da humildade.”, avalia o estudante Elson Pascoal, referindo-se ao trio de mediadores.


Arnaldo Santana

Elson Pascoal Dias




Adriano Pereira

Hip Ballet
A terceira edição do Projeto, última de 2011, contou com o apoio cultural da Bahia Design, Jornal Valença Agora, O Boticário, da Rio Mar Modas, Rádio Clube AM, VM Confecções, Sapataria São Jorge, Rádio Rio Una FM e Sociedade Pestallozzi de Valença.